Garantir acessibilidade é uma maneira de tornar as viagens possíveis a todos os cidadãos. Para facilitar a busca por locais que incluam pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, o Ministério do Turismo criou, em 2014, o Guia Turismo Acessível, um site onde é possível consultar e avaliar estabelecimentos e atrações turísticas que ofereçam acessibilidade. A iniciativa conta também com um aplicativo.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 6,2% da população do país apresenta algum tipo de deficiência. Com a ferramenta, o turista pode pesquisar bares, restaurantes, atrativos e empreendimentos turísticos que mantenham rampas de acesso, cardápio em braile, mesas exclusivas e símbolos gráficos de acessibilidade.

O guia é colaborativo e oferece a opção para o usuário avaliar os locais por onde passou. O material está disponível nos idiomas português, inglês e espanhol e pode ser baixado gratuitamente na loja da Windows Phone, Apple Store e Google Play.

A ferramenta faz parte do Programa Turismo Acessível, do Ministério do Turismo, que realiza ações voltadas à promoção da inclusão social e do acesso de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida em atividades turísticas.  Entre 2006 e 2016, o Ministério investiu mais de R$ 82 milhões em obras de acessibilidade, além de apoiar a qualificação e capacitação de profissionais que atendem turistas com deficiência.

Em breve, a ferramenta será reestruturada e trará mais agilidade na colaboração dos usuários. “O guia é importante para facilitar a vida do turista que necessita de um serviço mais acessível, além de incentivar o setor a se adaptar a essa realidade, tornando-se mais inclusivo e competitivo. Com a reforma do site e do aplicativo, os acessos e avaliações serão mais rápidos”, explicou a Coordenadora Geral de Turismo Responsável, Isabel Barnasque.

EXEMPLO BRASILEIRO NO JAPÃO – Como parte da preparação do Japão para a realização dos Jogos Tóquio 2020, o Ministério do Turismo foi convidado pelo governo japonês para compartilhar as experiências sobre o planejamento e realização das ações de turismo durante os Jogos Rio 2016.

A apresentação foi realizada pelo Diretor de Planejamento e Gestão Estratégica do Ministério do Turismo, Jun Yamamoto, que apresentou, dentre outros assuntos, o modelo de planejamento adotado para o projeto, a realização do revezamento da Tocha Olímpica e as ações de qualificação, infraestrutura, facilitação de viagens e promoção.

As autoridades japonesas demonstraram interesse no projeto Casa Brasil, que recebeu mais de 500 mil visitantes durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016. O Programa Turismo Responsável também despertou interesse dos participantes. A All Nippon Airways (ANA), uma das maiores empresas aéreas do Japão, publicou recentemente um artigo sobre o tema em sua revista de bordo.