A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), alcançou 77,1 pontos em fevereiro de 2017, em uma escala de 0 a 200. Abaixo dos 100 pontos, o resultado ainda indica percepção de insatisfação com as condições correntes e, embora tenha aumentado 1,2% na comparação mensal, apresenta queda de 2,1% em relação ao mesmo período de 2016.

A CNC acredita que a queda dos juros, aliada ao processo de redução da inflação, promova maior incentivo à recuperação do comércio e, consequentemente, à confiança do consumidor. “Mas é válido ressaltar que o ritmo de melhora das vendas e da atividade do setor ainda vai depender da velocidade de redução do endividamento das famílias, das empresas e da retomada do mercado de trabalho”, aponta Juliana Serapio, assessora econômica da entidade.

Emprego

Os dois componentes ligados ao emprego registraram pontuação acima da zona da indiferença. Emprego Atual atingiu 106,4 pontos e registrou alta de 0,7% em relação ao mês anterior e alta de 0,1% na comparação com fevereiro de 2016. Já a Perspectiva Profissional atingiu 101,8 pontos e teve aumento de 1,9%, ante janeiro. Na comparação anual, no entanto, caiu 1,4%. O percentual de famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego atual é de 31,5%, ante 31,3% em janeiro.

Consumo

Com a menor pontuação mensal (52,3 pontos), o subitem Nível de Consumo Atual apresentou queda de 0,4%, ante janeiro, e queda de 6,1%, na comparação com o mesmo período do ano anterior. A maior parte das famílias, 60,6%, declarou estar com o nível de consumo menor do que no ano passado. Já o componente Compra a Prazo teve aumento de 1,3% na comparação mensal e queda de 9,5%, em relação a fevereiro de 2016.

Importante indicador de consumo, o subitem Momento para Duráveis cresceu respectivamente 1,5% e 5,3%, nas variações mensal e anual. Apesar de a taxa de juros para o consumidor já apresentar uma leve queda, a maior parte das famílias (70,1%) ainda considera o momento desfavorável para a aquisição de duráveis.

Expectativas

A perspectiva de consumo das famílias cresceu 1,5% em relação a janeiro de 2016. Na comparação anual, o índice apresentou aumento de 7,2%, a quinta variação anual positiva desde agosto de 2014. O índice registrou 67,6 pontos.

Embora haja um processo de retomada gradual da confiança de consumidores e empresários, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) espera relativa estabilidade nas vendas do comércio em 2017, que poderão ser mais aceleradas de acordo com a confiança na governabilidade e na implementação das reformas necessárias.