Ministérios do Turismo e da Economia se reúnem com representantes dos agentes de viagens

Ministro Marcelo Álvaro conversou com representantes da agências de viagêm por vídeoconferência. Crédito: Dênio Simões/MTur

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, se reuniu, nesta quarta-feira (25) com o secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa; e representantes da agências e operadores de viagens. O objetivo do encontro foi debater as propostas já encaminhadas ao governo federal para atender o setor turístico que tem sofrido grande impacto com a pandemia do coronavírus.
 
Durante a reunião, Álvaro Antônio falou sobre a importância de ações imediatas para o setor. “Temos muitos segmentos que estão sofrendo com impactos de 90%, 100%. Então, nossa preocupação é adotar medidas rápidas para que possamos vencer essa crise e que a cadeia produtiva do turismo possa ser retomada com uma intensidade maior”, pontuou o ministro.
 
O secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, elogiou o trabalho e empenho do Ministério do Turismo e destacou as ações realizadas tanto para o setor turístico quanto para os demais. “Nós precisamos tratar cada setor com suas especificidades, mas com medidas transversais como: ações que atenue a queda da receita, previsibilidade de retorno, fundos de garantias, entre outros. Estamos dispostos a fazer tudo o que for preciso”, declarou.
 
Representando as agências de viagens, Magda Nassar, celebrou a intenção do governo em se criar fundos de garantias e solicitou a disponibilização de crédito para as empresas independentemente do tamanho. “Temos um primeiro pleito praticamente atendido, que seria o fundo de garantia, mas precisamos estender o crédito para os pequenos, médios e grandes empreendimentos”, finalizou.
 
Além de Magda Nassar, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), participaram da reunião o presidente da Clia Brasil, Marcos Ferraz; o presidente da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), Roberto Nedelciu e representante do BNDES.
 
FUNGETUR - Anteriormente, em conversa com o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezzano, o ministro do Turismo colocou à disposição a capitalização do Fundo Geral do Turismo (Fungetur) junto à instituição. O objetivo é ampliar os R$ 381 milhões, já liberados pela Pasta. Nos últimos dias, a Pasta publicou portaria que amplia o prazo de carência de 6 para 12 meses e a queda nos juros de 7% para 5%.

Fonte: MTur